Traduza este blog

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão. Hebreus 2:16




O escritor da carta aos Hebreus deixa claro que o cristão deve atentar para o que já foi dito, para que em tempo algum se desvie do que foi anunciado. Ele nos lembra que Deus, podendo escolher os anjos, escolheu a nós. Ele destaca que todos os anjos são espíritos ministradores enviados para servir aqueles que hão de herdar a salvação e que a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, todavia, Deus escolheu a descendência de Abraão. E essa descendência inclui aqueles que, embora não sejam judeus, porém são chamados de seus filhos em função de uma “cláusula” da aliança de Deus com ele, como diz

“Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar; e em ti serão benditas todas as famílias da terra." (Gênesis 12:3).





quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Portanto, convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. Hebreus 2:1


A Bíblia nos recomenda prudência em relação aos acontecimentos a nossa volta e nos ensina a vigiar sempre. O problema é que temos uma tendência a achar que haverá um tempo para consertarmos aquilo que precisa ser consertado, e muitos sequer sabem o que precisa ser consertado, pois é pela revelação que o Espírito Santo nos traz quando ouvimos a Palavra que somos compelidos a mudar de atitudes. O que nem todos compreendem é que negligenciar a Palavra de Deus traz sérias consequências tanto nesta vida, quanto na vindoura. O autor de Hebreus nos faz refletir sobre a importância de darmos ouvidos às Escrituras e em momento algum nos esquecermos dela. Isso significa que não podemos escolher o que ouvir e obedecer. Não podemos ser seletivos em relação à Palavra, mas precisamos crescer espiritualmente e atingir a maturidade

Inclinei o meu coração a guardar os teus estatutos, para sempre, até ao fim. Salmos 119:112


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, Hebreus 1:1


A Bíblia reiteradas vezes apresenta as diversas formas pelas quais Deus se revela a nós. Deus falou a Adão no jardim e a Moisés na sarça ardente. Ele falou a Miquéias sobre Belém, a Isaías sobre o Calvário e a Joel sobre o Pentecostes. Deus falou de Sua criação, Sua santa lei, Sua nação escolhida e dos detalhes de Sua aliança com Israel. Repetidamente, Ele falou de um Salvador por vir, cuja vinda introduziria os últimos dias e uma nova aliança. O autor de Hebreus afirma que é por meio de Jesus que Ele se revela atualmente, portanto, se antes pela voz dos profetas Deus falava aos homens, dando-lhes orientações sobre como agir, hoje, é pelo testemunho de Jesus que Ele se revela a nós. Mas continua falando em nosso coração que, se não tivesse sido abafado pelo pecado certamente ouviria o sermão da natureza que, por si só, já é uma revelação carregada de descrição sobre o Criador e de testemunhos da criação. Até mesmo a nossa consciência fala da lei de Deus e do julgamento vindouro. Todas essas formas de revelação podem ser subjetivas e de difícil registro, pois depende da linguagem humana e nossa memória limitada e falível, por isso precisávamos de um registro acurado, completo e permanente. Precisávamos de um livro no qual a revelação bíblica resiste ao tempo e às mudanças individuais e sociais. A palavra final de Deus veio a nós por meio de Jesus Cristo. Sua vinda é tão significativa também como forma de revelação que a Bíblia afirma que “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus.” (João 1:1-2). É o verbo, a palavra ação. Portanto, não foi por acaso que a vinda de Jesus dividiu tanto o calendário histórico quanto a nossa Bíblia.
 “Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito.” (Salmos 40:7)

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Para que a comunicação da tua fé seja eficaz no conhecimento de todo o bem que em vós há por Cristo Jesus. Filemom 1:6


A Bíblia diz que a fé é um dom de Deus, podendo ser adquirida, ou também natural. Filemom tinha a fé adquirida e é exemplo para que Paulo nos mostre a importância de que seja comunicada aos outros para que seja eficaz no conhecimento de todo o bem. Quando colocamos nossa fé em prática induzimos ao conhecimento de mais bênçãos provenientes do Senhor Jesus Cristo. A fé adquirida em potencial resulta em milagres prodígios e sinais na vida de quem a tem. Esta fé pessoal varia de pessoa para pessoa em quantidade e qualidade. Esta fé em forma de confiança plena na vida de Filemom o enchia de esperança absoluta, assim como acontecia com o próprio apóstolo Paulo.


A minha língua falará da tua palavra, pois todos os teus mandamentos são justiça. Salmos 119:172


domingo, 15 de outubro de 2017

Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o, sabendo que esse tal está pervertido, e peca, estando já em si mesmo condenado. Tito 3:10-11



Paulo orienta ao seu filho na fé a evitar aqueles que, depois de serem admoestados, se obstinarem a promover a divisão na igreja ou a fomentar conflitos por espalhar algum ensinamento divergente das Escrituras. Um herege nem sempre é aquele que se apresenta como o portador de uma grande doutrina que divirja daquela pregada em uma congregação, mas no sentido dado pelo apóstolo Paulo é também a pessoa facciosa que provoca uma divisão na igreja, ao defender sem medir as palavras o seu ponto de vista acerca de um ponto discordante. Assim, ignorando totalmente os ensinamentos da Bíblia que fortalecem a fé, pautam-se em doutrinas que desviam dos padrões e só servem para criar divisões e confusões entre os membros de uma congregação ou comunidade. Mas a Bíblia nos orienta a buscarmos o discernimento do Espírito e a confirmarmos nas Escrituras se

" E eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos; naquele dia serão para mim joias; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve." Malaquias 3:17-18


sábado, 14 de outubro de 2017

Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, Tito 2:12



Paulo escreve a Tito, seu filho espiritual, a quem deixou em Creta para preparar os obreiros para o Evangelho de Cristo, afirmando a esperança de vida eterna do cristão. Ele reafirma a promessa de Deus feita antes da fundação do mundo começar e ratifica-a confirmando-a com o argumento de essa promessa é certa porque é incompatível com a natureza justa de Deus mentir. O apóstolo conclama a seu companheiro de ministério a que exorte a Igreja a viver conforme redimidos em Cristo devem viver. Lembrando-nos de que a graça salvadora de Cristo chegou em nossa vida, ela deve ser dirigida pelas regras do Reino de Deus e não pelos nossos desejos ou segundo as regras do mundo. Se fazemos parte deste Reino devemos nos comportar como cidadãos a ele pertencente e não mais pelas regras da sociedade, pelas nossas necessidades ou desejos. Assim, devemos viver com seriedade, confirmando cotidianamente a santificação que nos faz cidadãos dos Céus. Devemos viver com autocontrole, sem nos deixar arrastar pelas paixões mundanas, nem nos contaminar pelas coisas desse mundo. Um redimido demonstra de todas as formas e lugar que realmente recebeu a retidão de Cristo e vive respeitosamente, sabendo que está na presença de Deus e testemunhando que faz parte de um povo diferente, um povo purificado de seus pecados pode afirmar como o salmista em Salmos 119:88  

Vivifica-me segundo a tua benignidade; assim guardarei o testemunho da tua boca.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Exorta semelhantemente os jovens a que sejam moderados. Tito 2:6



O pedido de Paulo a Tito para exortem os jovens à moderação continua atual e mais do que nunca necessário em um mundo em que vigoram discursos de incentivo à busca do prazer e da felicidade individual sem medir consequências pessoais e coletivas. A Bíblia é sábia quando nos ensina a educar as crianças no caminho em que devem andar para que não sejam desviadas dos princípios do Senhor. Aqueles que acreditam que as crianças devem ser livres para escolherem o que querem ser e que caminhos seguir, certamente, discordarão dos princípios bíblicos e ignoram a exortação do apóstolo, todavia, enfrentarão as consequências de suas escolhas. Os jovens, são, sem dúvida, os grandes responsáveis pelas transformações de padrões e de comportamento e atender ao apelo do apóstolo não significa impedir que a mocidade cumpra o seu papel transformador. Todavia, a orientação é tudo seja feito com moderação, conforme nos ensina o sábio

Filho meu, não se apartem estas coisas dos teus olhos: guarda a verdadeira sabedoria e o bom siso; Provérbios 3:21



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados. Tito 1:15



Paulo se refere à pureza ritual judaica, estabelecendo uma distinção entre os que julgam compensar a falta de pureza moral com purificações cerimoniais, assim como muitas pessoas imaginam que passando por rituais e cerimônias alcançam a aprovação de Deus. Paulo mostra-nos que aqueles que estão contaminados pelo mundo têm a consciência obscurecida pelos desejos ímpios e assim não se pautam pelas coisas de Deus. Mas aqueles que são separados, que buscam a santificação e a edificação em Cristo têm o discernimento para saberem que nem tudo é puro neste mundo contaminado pelo maligno e não é pelos rituais judaicos que haveremos de nos purificar as coisas ou a nós mesmos, para obtermos a aprovação de Deus e sim pelas nossas atitudes coerentes com a Palavra de Deus a quem precisamos sempre pedir como faz o salmista

Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Salmos 51:10



quarta-feira, 11 de outubro de 2017

E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial; a quem seja glória para todo o sempre. Amém. 2 Timóteo 4:18



A Bíblia nos mostra que Deus sempre fortaleceu Paulo durante sua vida, para que pudesse continuar a pregar a Palavra aos gentios.  E na carta escrita a Timóteo vemos que o apóstolo reconhece a presença do Senhor em seu ministério, a despeito do abandono de seus amigos e deixa impregnada a convicção de que, sustentado pelo Senhor, que sempre o fortalece e capacita, ele conseguirá cumprir sua missão de evangelizar. Como o apóstolo que entendeu esse princípio de fé e de perseverança, nós também precisamos saber que ainda que as pessoas nos desapontem nos momentos difíceis, o Senhor nunca abandona os Seus filhos, por mais difíceis que sejam as circunstâncias.

Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação. Habacuque 3:17,18


terça-feira, 10 de outubro de 2017

Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. 2 Timóteo 4:7



Paulo se refere a uma imagem que descreve a vida do cristão, o seu comportamento, sobretudo, em relação ao perseverar na fé. Paulo chama de "combate" a constante luta que enfrentamos e que nos coloca diante de escolhas diárias. Paulo escolheu persistir em prol do Evangelho de Cristo, mesmo vivendo uma vida, do ponto de vista humano, repleta de privações, sofrimentos, dificuldades e dor, mas, na perspectiva da fé, um combate nobre, notável, singular e inigualável, que faz valer a pena qualquer desafio e adversidade. Assim, guardar a fé é resultado da perseverança e determinação a fim de completar o ministério para o qual somos chamados. Em nenhum momento de sua carreira Paulo se desviou de seu serviço no Reino de Deus, e nos ensina com seu exemplo que não devemos medir esforços para que Deus seja glorificado como Senhor. Combati o bom combate, completei a carreira e guardei a fé deve ser a declaração de todo cristão que espera a qualquer momento se encontrar com o Senhor.


O Deus da minha misericórdia virá ao meu encontro; Deus me fará ver o meu desejo sobre os meus inimigos. Salmos 59:10


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,2 Timóteo 3:1-2


Paulo nos alerta os sinais dos tempos, perceptíveis não só nos fenômenos naturais previstos na Bíblia, mas também pelas atitudes das pessoas e da sociedade que se estrutura na perspectiva do mundo e não sob a orientação das Escrituras. Na mesma proporção em que a ciência e a tecnologia evoluem trazendo novidades e facilidades para as pessoas, a humanidade se embrutece e se torna cada vez mais distante da imagem e semelhança do Criador. As criaturas, quanto mais têm acesso aos bens de consumo e às facilidades tecnológicas e científicas mais se tornam egoístas, individualistas e rebeldes em relação à Palavra de Deus. A exacerbação do hedonismo nos últimos tempos é visível. Os homens aderem à ideia mundana, patrocinada pelo inimigo, de que devem buscar a felicidade a qualquer preço e que felicidade é ser dono de si mesmos, satisfazendo os seus desejos sem se preocuparem com a Palavra de Deus, tida como algo obsoleto e desconectada da vontade do homem que já age como senhor absoluto de sua vida, refletindo em suas atitudes a desobediência, ingratidão, a soberba, a avareza, a falta de amor e solidariedade e a  presunção de que tudo podem para satisfazer sua concupiscência.

Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção. Salmos 16:10


domingo, 8 de outubro de 2017

Por isso sofro trabalhos e até prisões, como um malfeitor; mas a palavra de Deus não está presa. 2 Timóteo 2:9



O apóstolo Paulo depois de exortar Timóteo a se manter firme na fé, suportando como bom soldado as lutas e combater o bom combate na pregação do Evangelho, ensina que essa fidelidade será frutífera e aquele que semeia a Palavra será o primeiro a colher de seus frutos. Paulo apresenta três metáforas para representar essa fidelidade: a metáfora da guerra, do atleta e do lavrador. A primeira mostra a caminhada cristã como uma guerra espiritual. A segunda considera o trabalho de preparação do atleta para vencer uma competição. Somente os que perseveram e se dedicam aos treinos estão aptos a receber os louros da vitória. A terceira compara o trabalho árduo do lavrador para desfrutar da boa colheita. Assim é também nossas atividades espirituais. Como soldados de Cristo, devemos ser firmes e rigorosos no combate ao inimigo e pautar nossas vidas pela Palavra. Como um atleta, devemos perseverar na preparação e manter firme nosso alvo para alcançar a vitória e, como lavrador, trabalhar arduamente para obter a boa colheita. Assim como o apóstolo que combateu o bom combate e guardou a fé, se formos fieis, saberemos que, mesmo presos, a Palavra de Deus estará livre e atingirá àqueles a quem o Senhor escolheu.

O que é negligente na sua obra é também irmão do desperdiçador. Provérbios 18:9


sábado, 7 de outubro de 2017

Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação. 2 Timóteo 1:7



Paulo nos ensina que não precisamos viver com medo, pois Deus não nos deu espírito de temor e sim de amor, de fortaleza, e de moderação. Em vez de fugir dos pseudo gigantes que nos atemorizam, devemos entregar nossos problemas nas mãos protetoras de Deus. Se deixarmos o espírito do medo e assumirmos o espírito “de fortaleza, de amor e de moderação” teremos força, no Senhor para enfrentar todos os desafios que nos aparecem, pois o amor lança fora o medo. Deus nos capacita com dons e talentos. O todo ser humano, sem exceção tem pelo menos um dom a ser usado com amor em prol de si mesmo, do próximo e da Obra de Deus. Sabendo disso nosso inimigo tenta minar nosso potencial e procura nos atacar com o espírito de medo, pois esse sentimento paralisante e às vezes irracional, nos faz sentir incapazes e nos faz negligenciar as coisas que somos capazes de fazer e que poderíamos fazer com talento. Assim como alertou a Timóteo a não se deixar paralisar pelo medo quando fosse anunciar o evangelho, o apóstolo nos alerta a não deixarmos de usar nossos dons a serviço do Evangelho, lembrando-nos do que nos ensina o sábio.

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. Eclesiastes 9:10


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam se apoderar da vida eterna. 1 Timóteo 6:19



Paulo nos leva a refletir sobre quais tem sido as nossas expectativas e perspectivas de futuro e o que pretendemos receber por nossos feitos e atitudes nesta vida. Sabemos que um dia iremos nos encontrar diante do tribunal de Cristo, onde teremos que prestar contas de tudo o que fizemos ou deixar de fazer. E assim, receberemos segundo o que tivermos feito e não há como fugir disto. Não sabemos quando esse dia chegará, mas o certo é que precisamos pensar que esse dia pode hoje, daqui a pouco, ou amanhã. O que faremos quando Deus nos pedir conta de nossos atos não tem sido objeto de reflexão entre pessoas que acreditam que podem viver segundo seu próprio entendimento. Aquele que vive de aparência e ignora a Palavra de Deus, certamente nada poderá fazer quando chegar o dia do Senhor e ouvir


Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Daniel 5:27



quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. 1 Timóteo 6:10



Em tempos em que o consumismo e a aparência têm sido o guia da sociedade, precisamos da orientação do Senhor sobre como, onde e quando gastar o nosso dinheiro. O dinheiro e a posse de bens materiais nos tornam escravos quando nos deixamos contaminar pela cobiça, por isso Paulo nos diz que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Quando nos deixamos influenciar pelas propagandas convidativas, por ofertas de crédito facilitado, por novidades a cada dia, com apelo a gastar sem controle, deixamos de ser senhores do nosso dinheiro e passamos a ser controlados por ele. A Bíblia nos ensina a ter uma atitude equilibrada em relação ao dinheiro e a estabelecermos prioridades entre o que é necessário e o que é supérfluo, pois a fonte de muitos problemas está no mau uso dos recursos financeiros. Deus nos deu esses recursos para serem usados com sabedoria e moderação, por isso devemos usá-los com parcimônia e controle, em vez de gastarmos sem planejamento ou direção. Embora seja pelo dinheiro que alcançamos algumas metas na vida, não podemos tê-lo como nosso objetivo maior. O dinheiro é apenas um meio de obtermos as coisas ou condições que nos são necessárias, mas não é um fim em si mesmo. Precisamos viver na dependência do Senhor e não do dinheiro, para não nos desviarmos da fé, ensina o salmista, pois

"SE o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono." (Salmos 127:1-2)

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Os pecados de alguns homens são manifestos, precedendo o juízo; e em alguns manifestam-se depois. 1 Timóteo 5:24


Paulo afirma que as obras que passem despercebidas se tornarão evidentes, se não nesta vida, certamente perante o tribunal de Cristo, contudo, essa observação nos faz refletir sobre a forma como agimos em relação ao pecado. Muitas vezes damos importamos pecado explícito como roubar, matar, adulterar, mas não consideramos os pecados encobertos no próprio coração, como usar o nome de Deus em vão; cobiçar o que é do próximo; não socorrer o necessitado; mentir; deixar de pagar uma dívida; levar vantagem em um negócio, etc. Precisamos examinar as Escrituras e deixar de lado um coração hipócrita, julgador, que dá lugar aos pecados encobertos, compreendendo as advertências do apóstolo Paulo Timóteo sabendo que nada há de permanecer oculto por todo o tempo. Chegará o tempo em que os pecados encobertos, não confessados virão à luz, e deles haveremos de prestar contas, mas


O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. Provérbios 28:13


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; 1 Timóteo 4:1


Paulo nos fala de uma apostasia da Igreja, ou seja de uma mudança e afastamento dos cristãos de uma revelação centrada em Cristo para uma doutrina promovida por espíritos enganadores. Apostasia é o abandono consciente ou deliberado da fé, da doutrina de Deus que é sã doutrina para dar lugar às doutrinas de demônios. Infelizmente, essas são as mais sutis à igreja, pois são defendidas por obreiros fraudulentos que agem no meio do rebanho sob a ação do próprio satanás visando distorcer a verdade para implantar suas mentiras. Lembremo-nos do que o apóstolo Paulo afirma em sua 2 Carta aos Coríntios 11:4 "E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz.". Essas doutrinas estão infiltradas em muitos ensinos repassados à igreja, por isso o Espírito Santo faz uma alerta à Igreja para o discernimento daqueles que têm a mente de Cristo enxergarem pela própria Palavra (1 Coríntios 2: 16). Precisamos tomar cuidado redobrado, vigiando e orando em todo o tempo, pois é impossível saber por nosso próprio conhecimento o que diz a Palavra de Deus. A fé intelectual pode ser verdadeira, mas ela jamais produzirá vida, porque a Verdade sem o Espírito Santo está morta.
Se clamares por conhecimento, e por inteligência alçares a tua voz, Provérbios 2:3




segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade. 1 Timóteo 3:15



A igreja como edifício deve ser um local onde os santos se reúnem para adorar a Deus, onde o objetivo comum aprender o verdadeiro Evangelho que possibilita ao pecador conhecer a verdade por meio da graça de Deus. A Igreja não precisa ser atraída à igreja motivada por entretenimentos como faz a TV para não perder a audiência. A Igreja de Deus tem sua motivação em Cristo e não nas aparências ou nas coisas do mundo. A nossa preocupação como Igreja deve ser a comunhão dos santos, a congregação dos justos preocupada principalmente em ouvir e praticar a Palavra de Deus. Paulo nos faz refletir sobre como tem sido nosso comportamento na e fora da igreja, sendo Igreja. Precisamos refletir sobre como nos convém comportar na Casa de Deus, não só em relação a nossa forma de vestir, mas também sobre a nossa reverência no culto. A quem estamos cultuando, deve ser a nossa preocupação. Qual a importância que damos Àquele que nos levou à igreja vai determinar como nos comportamos como Igreja. A Bíblia nos exorta a congregar tanto para refletirmos sobre nossa conduta, como para cultuar com reverência o nosso Deus. Nem todos que estão na igreja são Igreja. Para ser um cristão é preciso ser regenerado,  nascido de novo. Portanto, é possível estar na igreja e não ser um cristão, mas é impossível ser um cristão e não ser Igreja e não congregar em uma igreja, com a devida reverência Àquele que nos regenerou. Todos aqueles que realmente servem a Deus como discípulos transformados pela graça de Deus tem comunhão com os santos e fazem parte da igreja organização.

Há muito que o Senhor me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí.


domingo, 1 de outubro de 2017

Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. 1 Timóteo 2:5


Paulo reitera o que as Escrituras registram em vários momentos: Jesus Cristo é o único Mediador entre Deus e os homens. Jesus é o Sacerdote Eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. E Sua Obra sacrificial tem natureza expiatória e substitutiva. Pela Cruz não são mais necessários os sacrifícios de animais, instituídos na Lei dada a Moisés, como ofertas pelo pecado e pelas transgressões de caráter expiatório. Contudo, é impossível dissociar a obra intercessória de Cristo de Seu sacrifício expiatório na cruz. Jesus morreu pelos nossos pecados e deles somos libertos quando compreendemos a mediação feita pelo Cordeiro em nosso favor. Não há outro mediador que tenha sido capaz de tamanho sacrifício para interceder por nossos pecados. Cristo, como o nosso Advogado, intercede por nós junto ao Pai e contra o nosso acusador, satanás. E Ele intercede a Deus por todos aqueles por quem Ele fez expiação. Isso significa que, embora tenha morrido por todos, a expiação alcança somente os que são nascidos de novo.

... mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores. Isaías 53:12

sábado, 30 de setembro de 2017

Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; 1 Timóteo 2:1



Atravessamos tanto no nosso país como no mundo todo tempos difíceis, permeados de protestos, histórias inconcebíveis de corrupção e de desprezo com as pessoas que esperam que seus líderes administrem com responsabilidade os recurso públicos, ameaças de guerra, pessoas ansiosas, sociedade confusa com doutrinas e teorias contrárias à Palavra de Deus e à tradição, e muito mais....E nesse mundo tumultuado o cristão é convocado a tomar atitudes diante dessas situações. Por isso o apóstolo nos orienta a orar e interceder com orações e ações de graças constantes para que o Senhor mova Sua mão. Precisamos fazer a diferença neste mundo que carece de valores estáveis e  Deus nos deu uma arma poderosa em nossas mãos: a oração. Em lugar de murmurar e de criticar aqueles que divergem de nossos princípios, devemos orar pelo nosso país, pelos nossos governantes, pelos eleitores que, enganados pelos discursos, legitimam esses representantes no poder e tão logo se veem investidos de autoridade, sob o discurso da democracia, agem conforme seus interesses.
Precisamos orar pelo nosso país para que a situação mude, para que tenhamos educação de qualidade, hospitais bem equipados, segurança nas ruas e tranquilidade nos lares.

Há muito que o Senhor me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí.



sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida. 1 Timóteo 1:5

O apóstolo Paulo afirma que somente quem tem uma fé verdadeira em Jesus será aceito por Ele. Somente quem tem uma fé não fingida receberá de Deus o Espírito Santo que nos torna também Seus filhos e herdeiros do Reino, juntamente com Jesus. O que o apóstolo escreve ao discípulo Timóteo, que ministrava na Igreja de Éfeso, revela-nos o sinal de uma verdadeira cristã, cujo principal atributo deve ser o amor. A Igreja que manifesta esse sinal, certamente, também demonstrará outros sinais como a paz, o progresso material, a fidelidade e também o carisma social. Somente com um amor genuíno uma Igreja conseguirá resolver os problemas de qualquer natureza, sejam as dissensões, o orgulho, as dificuldades financeiras. Depois disso, a paz virá com a união de todos em um objetivo comum, o Evangelho de Cristo na direção do Espírito Santo. Uma Igreja santa, atraída por Deus pelo imenso amor, para cumprir a sua verdadeira missão na terra, deve agir conforme a vocação pela qual foi chamada, lembrando-se do que nos anuncia o profeta Jeremias 31:3

Há muito que o Senhor me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí.

Veja o vídeo a seguir:

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

E vós, irmãos, não vos canseis de fazer o bem. 2 Tessalonicenses 3:13



 O apóstolo Paulo na segunda carta de Paulo aos Tessalonicenses, apresenta várias direções ao povo, e que também serve para nós nos dias atuais. Fazer o continuamente e a todos indistintamente é a essência da lição do apóstolo no texto em epígrafe. A tendência humana é agraciar com bondade apenas aqueles que nos são queridos ou próximos, mas a Bíblia diz que devemos fazer o bem a todos, e Paulo enfatiza que devemos ser incansáveis nesse exercício. Com Jesus, aprendemos que não se aplica mais a Lei de Talião, a Graça veio para nos ensinar que o olho por olho, dente por dente não mais é necessário para construirmos nossos relacionamentos. Mas tratar o outro com bondade independente de quem seja ou o que nos tenha feito é fundamental, mesmo reconhecendo que não é fácil agir dessa forma. Fazer o bem indistinta e incansavelmente é uma atitude que reforça o que nos ensina Jesus quando nos diz para amar o próximo como a nós mesmo. Assim, devemos fazer o que nos diz o profeta Isaías

Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas. Isaías 1:17


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

E para que sejamos livres de homens dissolutos e maus; porque a fé não é de todos. Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno. 2 Tessalonicenses 3:2-3


 O apóstolo Paulo era perseguido pelos Judeus de sua época e pelos líderes das religiões pagãs e principalmente pelo Império Romano, por isso pedia as intercessões dos irmãos de Tessalônica para que Deus o mantivesse livre, a fim de que pudesse cumprir sua missão entre os gentios. Paulo se refere aos homens dissolutos e maus, inimigos do evangelho de Cristo reconhecendo que a fé não é de todos e que Deus é fiel apesar de disso. A fidelidade de Deus é incondicional, se formos infiéis, Ele permanece fiel. E o apóstolo sabendo disso, que Deus não pode negar-se a si mesmo, confiava nessa fidelidade de Deus para com ele e para com os irmãos de Tessalônica e sabia que podia contar com a fidelidade de Deus para livrá-lo dos homens dissolutos e maus para que pudesse cumprir com sucesso sua missão. Para que também sejamos livres para cumprir nossa missão, assim como Paulo e como o salmista, podemos pedir a Deus, com a mesma confiança de que Ele nos atenderá

Livra-me, ó SENHOR, do homem mau; guarda-me do homem violento, Salmos 140:1

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, 2 Tessalonicenses 2:3


Apostasia significa a negação e abandono da fé, a revolta contra Deus que levam as pessoas a se afastarem dos caminhos do Senhor. No texto em epígrafe, o apóstolo Paulo nos diz que o inimigo se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou seja, o filho da perdição dirá que ele é a manifestação final de outros deuses e depois diz que ele se parecerá com Deus. Ele nos remete ao que Isaias 14:13 nos diz sobre satanás, um ser espiritual, que tentou estabelecer o seu trono acima das estrelas: E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte.
E a Bíblia nos alerta sobre a necessidade de fugirmos de tudo que nos desvia do alvo e que, processual e paulatinamente, pode nos levar à apostasia. Doutrinas e novidades vão surgindo na sociedade e muitos se deixam enganar por elas, dando brechas para que o filho da perdição se manifeste. Por essa razão, devemos analisar e refutar tudo aquilo que foge dos ensinamentos bíblicos, ainda que sobre a justificativa de atualização dos tempos. Deus é imutável e não negocia com o mundo. Seus valores permanecem e não podem ser ajustados aos ventos de doutrinas. Portanto, em tempos em que os homens se insurgem contra o Criador e querem que seus desejos prevaleçam é mais do que urgente redobrar nossa atenção e atentarmos para o que nos exorta o profeta Isaías 55:7

“Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que Se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar”



segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Por isso também rogamos sempre por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação, e cumpra todo o desejo da sua bondade, e a obra da fé com poder; 2 Tessalonicenses 1:11


O poder da oração e da intercessão é reiteradas vezes anunciado na Bíblia. É um fato que desde Gênesis até Apocalipse Deus registra a importância e os privilégios da oração intercessora. A Bíblia destaca que ela tem o poder de aplacar a ira divina (Êxodo 32:32); tem o poder de mudar decisões divinas (Êxodo 33:15) e de evitar os juízos de Deus (Isaías 38:5) Vai, e dize a Ezequias: Assim diz o SENHOR, o Deus de Davi teu pai: Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas; eis que acrescentarei aos teus dias quinze anos. O salmista nos conclama a orar pedindo paz (Salmos 122:6); Tiago 5:16 nos ensina a orar uns pelos outros e Paulo nos diz que temos o dever de orar em todo tempo (Efésios 6:18) vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos. A Bíblia também nos mostra a efetividade da intercessão, afirmando que a oração tem o poder de vencer o inimigo (Êxodo 17:11), de trazer livramentos (Atos 12:5); de nos dar força para enfrentar desafios (I Reis 18:36). Paulo, ao tempo em que nos mostra a importância de nos revestirmos de poder pela oração, mostra-nos que devemos nos revestir de unção para que a vocação para a qual fomos chamados se cumpra em efetividades em nossas vidas e na dos demais.

Responde-me, Senhor, responde-me, para que este povo conheça que tu és o Senhor Deus, e que tu fizeste voltar o seu coração.
1 Reis 18:37